FITOPATOLOGIA

Sociedades Científicas: Início

Esta página é melhor visualizada com Microsoft Internet Explorer 6.0 ou superior  

Sugestão para citação: Brioso, P. S. T. Fitopatologia. Histórico. Criada em 2005. Disponível em: <http://www.fito2009.com/fitop/fitophist.htm>.

 

HISTÓRICO

A Área de Fitopatologia (Departamento de Entomologia e Fitopatologia/ Instituto de Biologia/ UFRRJ) foi, efetivamente, iniciada em 1934 na Praia Vermelha (Rio de Janeiro), através do Catedrático Heitor Vinicius da Silveira Grillo, que além de participar do desenvolvimento da Fitopatologia nacional foi o idealizador, em 1936, da primeira reunião dos Fitopatologistas do Brasil embora o Herbário Fitopatológico pertencente a este setor remonte a data de 1916

Em 1995, a área de Fitopatologia transferiu-se do Pavilhão de Biologia para seu antigo Campo Experimental (designado de Campo Experimental "Oswaldo Carlos de Almeida") em uma área de quatro (4) hectares. Essa transferência possibilitou considerável expansão, o que vem sendo conseguido, com recursos provenientes de convênio com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e da captação de recursos financeiros oriundos de projetos de pesquisa e de prestação de serviço por parte de seus docentes.

Atualmente, a Área possui amplas e exclusivas instalações que incluem laboratórios, salas de aulas, setores de apoio, casas-de-vegetação, telado e dispondo ainda de 3 (três) hectares de terras para ensaios experimentais e plantios com fins acadêmicos.

Trata-se de um pequeno campus já bastante arborizado e urbanizado, que representa um dos portais mais aprazíveis do km 47.

 

ENSINO

O Prof. Heitor V. Grillo foi seu único Catedrático, tendo se destacado sobremaneira como membro da cúpula diretora do então Conselho Nacional de Pesquisas, função que exerceu durante muitos anos. Interessante também consignar, que o Prof. H. V. S. Grillo foi casado, até seu falecimento, com a famosa poetisa Cecília Meirelles que, por diversas vezes, visitou a Universidade Rural.

 

Graduação

No campus do km 47 da antiga Rio - São Paulo (atualmente, km 07 BR 465, Seropédica, Rio de Janeiro), a Fitopatologia, responsabilizou-se de princípio, pela disciplina Fitopatologia Agrícola, lecionada para os alunos do Curso de Engenharia Agronômica. Tendo, posteriormente, o auxílio dos professores Verlande Duarte Silveira e Charles Frederick Robbs.

Posteriormente, o nome da disciplina foi modificado para Fitopatologia e Microbiologia.

Com o Prof. Charles. F. Robbs começou a nova fase da Fitopatologia, coincidente com o advento do RETIDE (Regime de Tempo Integral e Dedicação Exclusiva) na UFRRJ e, com a admissão, por concurso, de novos professores.

A partir daí multiplicaram-se as disciplinas oferecidas e o número de discentes e cursos atendidos passando, atualmente, para cinco (5) disciplinas a nível de graduação.

A evolução das disciplinas e suas ementas podem ser consultadas em http://www.fito2009.com/fitop/fitopgrad.htm

 

Pós-graduação

  • Lato sensu

No período de 1979 a 1989, a Área de Fitopatologia implementou o Curso de Fitossanitarismo a nível de Pós-Graduação Lato Sensu sob a coordenação do Prof. C. F. Robbs e posteriormente pelo Prof. Fujio Akiba ministrando disciplinas para Engenheiros Agrônomos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, docentes da UFRRJ, extensionistas, recém-graduados e técnicos.

Tendo sido desenvolvidas sob a orientação de docentes da Área de Fitopatologia, cerca de treze (13) monografias.

 

  • Strictu sensu

Em 1990, foram ministradas pelos docentes da Área de Fitopatologia, três (3) disciplinas a nível de Pós-graduação de forma a atender os discentes de Cursos de Pós-gradução Strictu Sensu.

A partir de 2003, após a iniciativa do Professor Dr. Paulo Sergio Torres Brioso (Processo 23083.003193/ 2005-04) foi concebido e aprovado pela CAPES em 2006 (89 Reunião do CTC), o Programa de Pós-graduação em Fitossanidade e Biotecnologia Aplicada (PFBA) a nível do Departamento de Entomologia e Fitopatologia/ IB/ UFRRJ.

Trata-se do primeiro curso de pós-graduação a nível nacional que agrega as áreas de Fitossanidade e de Biotecnologia Vegetal. .

O Programa de Pós-graduação em Fitossanidade e Biotecnologia Aplicada (PFBA) foi concebido a partir de princípios que consideram a competência e a formação do Corpo Docente; a qualidade, criatividade e interesse do Corpo Discente; a otimização e racionalização de recursos materiais e humanos, reunidos em boas condições de infra-estrutura e dentro de uma política de formação de pessoal altamente qualificado, em escala nacional.

A partir de 2006, multiplicaram-se as disciplinas oferecidas e o número de discentes e cursos atendidos passando, atualmente, para treze (13) disciplinas a nível de pós-graduação.

A evolução das disciplinas e suas ementas podem ser consultadas em http://www.fito2009.com/fitop/fitopposgrad.htm

 

PESQUISA

No campo da pesquisa, destacaram-se muito os professores Verlande D. Silveira e Charles F. Robbs. O primeiro, conhecido nacional e internacionalmente por seus trabalhos em Micologia, principalmente abordando os fungos fitopatogênicos, sendo autor de compêndios (Elementos de Fitopatologia e Lições de Micologia) até hoje adotados em praticamente todos os cursos de Agronomia do Brasil.

O Prof. V. D. Silveira foi ainda curador do Herbário Micológico “Arsene Puttemans”, um dos mais completos da América Latina e que faz parte do acervo da Área de Fitopatologia.

Já o Prof. C. F. Robbs é considerado o maior fitobacteriologista brasileiro de todos os tempos. Tal docente conta com mais de uma centena de publicações e é autor de diversas espécies reconhecidas de bactérias fitopatogênicas.

Dentro do acervo da área de Fitopatologia, além de uma extensa lista de obras bibliográficas de valor inestimável, como o Selecta Fungorum Carpologia e o Sylloge Fungorum, conta-se com o Herbário Fitopatológico "Verlande Duarte Silveira" (sigla UFRJ cadastrado nos Herbários Brasileiros, no Index Herbariorum e na Rede Fluminense de Herbários), que é tido como um dos dez mais antigos do país, tendo se iniciado em 1916, na antiga Escola Nacional de Agronomia, e conta hoje com um acervo estimado de 30.000 exemplares. Aliado a isto, contamos com uma Coleção Científica de Fitopatógenos (bactérias, espiroplasmas, fitoplasmas, fungos, nematóides, protozoários, viroídes, vírus) oriundos de diferentes culturas.

No período de 1934 até a data atual, os docentes integrantes da Área de Fitopatologia tem catalogado inúmeros Artigos publicados (em Revistas Nacionais e Internacionais), Capítulos de Livros, Dissertações de Mestrado, Livros, Monografias, Relatórios Técnicos, Teses de Doutorado, Textos em Jornais ou Revistas e Trabalhos em Eventos que podem ser acessados em http://www.fito2009.com/fitop/fitopproduc.htm.

Em 1997, por iniciativa do Professor Dr. Paulo Sergio Torres Brioso, a UFRRJ recebeu o Certificado de Qualidade em Biossegurança (D.O.U. Nº 91, Seção 3, de 15 de maio de 97, páginas 10428-10429) do MCT/CTNBIO (www.ctnbio.gov.br), extensivo ao Laboratório de Virologia Vegetal e Viróides vinculado à área de Fitopatologia, para desenvolver pesquisa em regime de contenção com plantas e microrganismos do Grupo I.   

Em 2001, o Laboratório de Virologia Vegetal e Viróides passou a integrar a rede de laboratórios associados ao projeto RIOGENE (http://www.lncc.br/frame.html) (www.bionotes.com.br).

Foram bolsistas de produtividade do CNPq, Prof. Charles F. Robbs; Prof. Dr. Osamu Kimura.

Desde 1996 é bolsista de produtividade do CNPq, o Professor Dr. Paulo Sergio Torres Brioso .e, em 2014 passou a ser bolsista de produtividade do CNPq, o Professor Dr. Carlos Antonio Inácio.

 

EXTENSÃO

Um dos marcos da Área de Fitopatologia, a nível de extensão, foi dado pelo Catedrático Heitor Vinicius da Silveira Grillo que além de participar do desenvolvimento da Fitopatologia nacional foi o idealizador, em 1936, da primeira reunião dos Fitopatologistas do Brasil.

Dentro deste panorama tivemos como Presidente da Sociedade Brasileira de Fitopatologia os Profs. Charles F. Robbs (1979/ 1980) e Fujio Akiba (1990/ 1991); como Vice-Presidente o Prof. Charles F. Robbs (1974/1975; 1978/1979), o Prof. Dr. Paulo Sergio Torres Brioso (2014/ 2017); Presidente da Associação Brasileira de Horticultura, o Prof. Charles F. Robbs (1966/ 1967)

E, ainda, como Presidentes de Congressos Brasileiros de Fitopatologia os Profs. Charles F. Robbs (1980), Fujio Akiba (1991) e Paulo S. T. Brioso (2009); Presidente do Congresso Brasileiro de Olericultura, o Prof. Charles F. Robbs (1967).

Desde 1934, os docentes da área de Fitopatologia atuam ou atuaram proferindo Conferências, Mini-cursos e Palestras em Congressos, em Simpósios, em Instituições de Ensino e/ou de Pesquisa.

 

Além de atuarem na assessoria ad hoc de artigos científicos enviados a revistas nacionais e internacionais indexadas e, na análise de projetos de pesquisa enviados a agências nacionais de fomento. 

 

Bem como, fornecem assessoria técnica à agricultores, extensionistas, técnicos e instituições governamentais e não governamentais. 

 

Em 2004, os responsáveis técnicos do Laboratório Oficial de Diagnóstico Fitossanitário da UFRRJ passaram a integrar a Comissão Estadual de Defesa Vegetal do Estado do Rio de Janeiro (Portaria nº 232, de 23 de março de 2004, publicada no D.O.U. N° 66, Seção 1, de 06 de abril de 2004).

A partir de 2005, por iniciativa do Professor Dr. Paulo Sergio Torres Brioso, foi idealizada a home page da Área de Fitopatologia que pode ser acessada em http://www.fito2009.com/ dentro do espírito da transparência pública.

De 2011-2013, o Professor Dr. Paulo Sergio Torres Brioso passou a ser componente da Diretoria da Sociedade Brasileira de Fitopatologia na função de Secretário.

Em 2014, o Professor Dr. Paulo Sergio Torres Brioso passou a ser componente da Diretoria da Sociedade Brasileira de Fitopatologia na função de Vice-Presidente.

 

PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

Em 2001, por iniciativa do Dr. Paulo Sergio Torres Brioso, o Laboratório de Virologia de Vegetal e Viróides (Área de Fitopatologia/ DEF/ IB/ UFRRJ) foi credenciado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para análise de fungos, nematóides, procariotos, vírus e viróides em produtos de origem vegetal e expedir laudo de diagnóstico fitossanitário (Portaria Nº 17, de 16 de julho de 2001 publicada no D.O.U. N° 143-E, Seção 1, de 25 de julho de 2001, página 39) em atendimento a Portaria Nº 214, 26 de novembro de 1998 (D.O.U. N° 234, Seção 1, de 07 de dezembro de 1998, página 17-18). 

Posteriormente, o Laboratório passou a ter autorização para expedir laudos oficiais de diagnóstico fitossanitário (um dos primeiros a nível nacional - Portaria nº 40, de 12 de dezembro de 2001, publicada no D.O.U. N° 246, Seção 1, de 28 de dezembro de 2001, página 72). 

Em 2002, o Laboratório passou a ser denominado de Laboratório Oficial de Diagnóstico Fitossanitário da UFRRJ (Portaria nº 39, de 01 de outubro de 2002, publicada no D.O.U. nº 192, Seção 1, de 03 de outubro de 2002, página 9) .  

Laboratório credenciado junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para análise de fungos, procariotos, nematóides, vírus e viróides em produtos de origem vegetal e expedir laudo oficial de diagnóstico fitossanitário (Portaria nº 39, de 01 de outubro de 2002, publicada no D.O.U. nº 192, Seção 1, de 03 de outubro de 2002, página 9).

    • O Laboratório tem recebido amostras oriundas das regiões: Centro Oeste (Mato Grosso do Sul), Nordeste (Estados da Bahia, do Ceará, de Pernambuco, do Rio Grande do Norte e de Sergipe), Norte (Estados do Amazonas, do Pará e de Tocantins), Sudeste (Estados de Minas Gerais, do Rio de Janeiro e de São Paulo) e Sul (Estado do Paraná, Rio Grande do Sul e de Santa Catarina) do Brasil.

    • O Laboratório tem recebido amostras (importadas) oriundas de diversos países: África do Sul, Alemanha, Argentina, Austrália, Canadá, Cazaquistão, Chile, China, Colômbia, Coréia do Sul, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, França, Guatemala, Holanda, Honduras, Indonésia, Israel, Itália, Japão, Madagascar, México, Peru, Portugal, Singapura, Taiwan, Tailândia, Vietnã.
    • O Laboratório tem recebido amostras para fins de exportação para diversos países.
    • O Laboratório tem gerado produtos e processos de origem biotecnológica como Antissoros e Sondas Moleculares, Linhagens e/ou cultivares resistentes a fitopatógenos, protótipos de kits diagnósticos, Elementos de Propagação Vegetativa e Sexuada indexados e certificados contra fitopatógenos e, em andamento, Plantas Transgênicas expressando resistência a vírus.

 

Em 2007, o Laboratório passou a integrar, a Rede Nacional de Laboratórios Agropecuários do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (SUASA/ MAPA), vinculado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em atendimento a Instrução Normativa número 1, de 16 de janeiro de 2007 (publicada no D.O.U. nº 12, Seção 1, de 17 de janeiro de 2007, página 1-3).

Em 2009, o Laboratório passou a ser credenciado para realizar análises na área de Diagnóstico Fitossanitário em amostras oriundas do controle oficial e programas específicos do MAPA (Portaria nº 33, de 05 de fevereiro de 2009, publicada no D.O.U. nº 28, Seção 1, de 10 de fevereiro de 2009, página 10).

Em 2014, o Laboratório passou a ser credenciado para realizar análises na área de Diagnóstico Fitossanitário em amostras oriundas do controle oficial e programas específicos do MAPA, Portaria: nº 287, de 20 de agosto de 2014, publicada no D.O.U: nº 160, Seção 1, de 21 de agosto de 2014, pág.: 4 ) (link).

Em 2014, o Laboratório teve aceita pela DICLA/ Inmetro a solicitação de acreditação do Laboratório Oficial de Diagnóstico Fitossanitário como exigência da Instrução Normativa Número 57, de 11 de dezembro de 2013 (associada a exigência da Instrução Normativa Número 40, de 30 de agosto de 2011; Ofício Circular número 02/2014 SAC/CGAL/SDA, de 07 de janeiro de 2014; Ofício Circular número 02/2014 DIF/DEB//CGAL, de 07 de maio de 2014)

 

INTEGRANTES DA ÁREA DE FITOPATOLOGIA/ UFRRJ

Em ordem cronológica (Galeria de Fotos), para a execução das atividades de ensino, pesquisa e extensão, o setor teve a participação de Heitor V. S. Grillo (1934-1971 = 38 anos, falecido em 1971); Verlande Duarte Silveira (1939-1972 = 34 anos, falecido em 1991); Livre Docente Charles Frederick Robbs (1944-1985 = 42 anos, falecido em 2012); PhD. Raul Lucena Duarte Ribeiro (1965-2003 = 39 anos); MSc. Fujio Akiba (1968-2001 = 34 anos); Dr. Osamu Kimura (1972-1995 = 24 anos, falecido em 1995); MSc. Oswaldo Carlos de Almeida (1976-1983 = 8 anos, falecido em 1983); Hélvio Borges Rezende (1978-1979 = 2 anos); Dr. Aldir de Oliveira de Carvalho (1983-2003 = 21 anos, falecido em 2011); Dr. João Sebastião de Paula Araújo (1998-2003 = 6 anos); Dra. Helena Guglielmi Montano (2004-2015 - Proc. 23083.006541/2010-54 = 11 anos); Dr. Carlos Antonio Inácio (2012- ) e, como professor substituto: Dr. J. S. P. Araújo (1995-1996), Dra. H. G. Montano (2003-2004), Dr. Daniel Vazquez Figueiredo (2005-2006), Dr. Jadier de Oliveira Cunha Jünior (2005-2007; 2009-2011), Dra. Enia Mara de Carvalho (2007-2008).

Atualmente, a área é composta pelos Professores Dr. Paulo Sergio Torres Brioso (1979 - ), Dr. João Pedro Pimentel (1979 - ), Dr. Luis Antônio Siqueira de Azevedo (2006 - ) e Dr. Carlos Antonio Inácio (2012 - ).

©2005 Fitopatologia/UFRRJ | Mapa do Site | Créditos | Webmaster | Última Atualização: 04/04/2015

Text